Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

O editorial do Estadão desta quinta-feira, 30, analisa os riscos do coronavírus do ponto de vista econômico. “Mas qualquer susto maior pode afetar os fluxos de capital. A valorização do dólar em todos os mercados, nos últimos dias, foi um lembrete desse risco. Mas o detalhe mais preocupante, num quadro de muita incerteza global, é o enfraquecimento evidente das exportações brasileiras. Alguém se preocupa, em Brasília, com o custo possível de um novo choque externo?”

Em outro texto, o jornal analisa o comportamento do governador do Rio, Wilson Witzel, até aqui, com destaque para o episódio da divulgação de uma conversa com o vice Hamilton Mourão. “Desde o infeliz governo de Chagas Freitas, o último governador do Estado a ser eleito por via indireta, em 1978, o Rio padece sob mandatários pessimamente escolhidos pela população. De Leonel Brizola a Wilson Witzel, todos, sem exceção, deram sua contribuição para a degradação do Estado que já foi a capital política, econômica e cultural do País. Alguns deles, como Anthony Garotinho, Rosinha Garotinho, Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão podem contar em detalhes como é a experiência de ser interno do sistema prisional fluminense.”

Também aborda o “simulacro” do acordo de paz proposto por Donald Trump a Israel e Palestina. “Tudo conspira contra esse simulacro de acordo. Primeiro, por pecar no básico, ou seja, não envolver nas tratativas uma das partes interessadas. Segundo, porque é difícil ver em Trump e em Netanyahu sinais de boa-fé. Trump vê-se às voltas com um processo de impeachment e com sua campanha pela reeleição. Já Netanyahu luta para se manter no cargo e evitar o risco de ir para a prisão por corrupção após a conclusão dos processos a que responde.”

 

Tudo o que sabemos sobre:

IsraelPalestinaWilson Witzelcoronavírus