Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Nesta quinta-feira, 1º de outubro, o Estadão debate em seu editorial o caminho seguido por Jair Bolsonaro na escolha de um substituto de Celso de Mello no STF. “Se no passado as vagas que se abriam no Supremo Tribunal Federal (STF) davam ensejo a uma ampla discussão sobre o perfil desejado para seu sucessor, em termos de conhecimento jurídico e orientação política e doutrinária, agora o debate infelizmente gira em torno de nomes que possam favorecer o presidente da República e sua família, blindando-os judicialmente.”

Sobre as eleições americanas, o jornal discute o primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump. “Desde o início, o presidente americano impôs o tom do debate, com falas agressivas e contínuas interrupções. Sem sucesso, o moderador Chris Wallace fez vários apelos a Donald Trump para que respeitasse a ordem do debate. Tal incivilidade impediu uma discussão efetiva sobre os reais problemas do país. No entanto, por mais constrangedores que tenham sido os maus modos de Trump, eles não foram o aspecto mais assustador do debate – e do que se tem visto até agora da campanha eleitoral nos Estados Unidos.”

O jornal ainda trata dos riscos que as atitudes de Jair Bolsonaro trazem para a economia do País. “O presidente Jair Bolsonaro é hoje a fonte de inflação mais perigosa. Suas palavras, decisões e atitudes irresponsáveis assustam o mercado, espantam investidores, afetam o câmbio e acabam inflando os preços com a alta do dólar. Em outros países se pode conter a inflação com aumento de juros, principal instrumento de aperto monetário. Não há, no entanto, meios de controlar o presidente brasileiro, fazê-lo medir suas palavras e tentar criar um ambiente político e econômico saudável e previsível.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão