Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O Estadão comenta em seu editorial desta quarta-feira, 14, a decisão do ministro Marco Aurélio Mello que soltou um dos líderes do PCC. “A concessão de habeas corpus em favor de André Oliveira Macedo, o André do Rap, um dos homens fortes do Primeiro Comando da Capital (PCC), suscitou críticas contra a legislação em vigor sobre prisão preventiva – na qual o ministro Marco Aurélio baseou sua decisão –, como se o problema fosse a lei. As disposições legais vigentes não são apenas corretas, como essenciais para assegurar a liberdade de todos os cidadãos. A soltura de André do Rap é responsabilidade de quem não cumpriu as exigências da lei.”

A situação do mercado imobiliário brasileiro é tema de segundo editorial. “A atual crise é frequentemente comparada à crise financeira de 2008. No caso do mercado imobiliário, contudo, o contraste não poderia ser maior. Naquela época, a utilização disfuncional de imóveis como garantia de crédito inflou a bolha cujo estouro precipitou a debacle de grandes instituições financeiras. Hoje, ao contrário, o setor imobiliário é uma das alavancas da recuperação. O Summit Imobiliário promovido pelo Estado teve particular interesse por espelhar os desafios e oportunidades advindos com a pandemia.”

A situação da economia mundial, e o tamanho do tombo do Brasil, ainda é debatido pela publicação. “Nem bilhões ou trilhões de dólares nem taxas de crescimento: a soma de mortos pela covid-19, mais de 1 milhão até agora, é a primeira referência numérica da recém-divulgada Perspectiva Econômica Mundial, o mais importante relatório periódico do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ao falar sobre o documento, a economista-chefe do Fundo, Gita Gopinath, professora licenciada de Harvard, começou citando também aquele dado. Contraste: mortos foram raramente mencionados, até hoje, pelo presidente da maior economia do mundo, Donald Trump. Seu discípulo Jair Bolsonaro, presidente da maior economia latino-americana, também rejeitou o assunto. “Não sou coveiro”, respondeu, ao ser confrontado com o tema numa entrevista.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão