Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O Estadão desta sexta-feira, 23, debate a “estranha função” que a Advocacia-Geral da União (AGU) assumiu no governo de Jair Bolsonaro. “Pela Constituição, ela deve atuar tanto no plano consultivo, assessorando os dirigentes do Poder Executivo federal com o objetivo de dar segurança jurídica aos seus atos e suas decisões, como no contencioso, por meio de representação judicial e extrajudicial. Mas, embora seja um órgão de Estado, algumas de suas iniciativas parecem motivadas mais por critérios partidários do que técnicos, na medida em que atendem aos interesses eleiçoeiros do presidente da República, de seus ministros e dos grupos que o apoiam.”

O jornal discute ainda a sabatina a que Kassio Nunes Marques foi submetido no Senado. “Qualquer prova oral de concurso público para a magistratura é muito mais exigente do que a sabatina do desembargador Kassio Nunes Marques feita pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado no dia 21 de outubro. Certamente, são realidades distintas, com requisitos e condições muito diferentes, mas tanto a sabatina como a prova oral de um concurso público devem ser de fato etapas probatórias, nas quais se avalia seriamente o candidato.”

Os dados do Enade são tema de terceiro editorial. “Divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), os resultados de 2019 do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) – que é uma avaliação obrigatória dos estudantes que estão no último ano do curso de graduação – não apresentam novidade. Pelo contrário, mostram, mais uma vez, as disparidades crônicas do ensino superior brasileiro.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão