Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O editorial do Estadão neste domingo, 8, de título “Alívio“, fala da decisão da maioria dos norte-americanos de impedir pelo voto que Donald Trump completasse sua obra – a destruição da democracia nos Estados Unidos. “O restabelecimento da política e do respeito às instituições como centro da vida democrática é o primeiro e mais significativo resultado da eleição do democrata Joe Biden à presidência dos Estados Unidos, confirmada neste sábado. Política pressupõe diálogo, mesmo, ou talvez principalmente, entre adversários figadais”, afirma.

No segundo editorial, aborda as perspectivas de relacionamento entre Brasil e Estados Unidos. “Do ponto de vista dos EUA, o fortalecimento dos laços com o Brasil, entre outras razões econômicas e estratégicas, ajudará a promover seus interesses na América Latina ante a crescente presença da China. Nesse sentido, há um inequívoco alinhamento bipartidário. Sob a administração de Trump, o Brasil recebeu apoio para ser integrado à OCDE e foi designado como aliado prioritário extra-Otan. Não há razão para esses compromissos serem revertidos, mesmo sob uma administração de Joe Biden”.

Por último, ressalta a importância dos estudos e análises da Fundação Konrad Adenauer Brasil que aportam luzes sobre a política na esfera local. “Quanto ao efeito da diminuição do número de legendas, Luiz Eduardo Garcia da Silva afirma que, “estruturalmente, prevemos uma redução gradual do número de partidos políticos especialmente no âmbito municipal”. Destaca também que o efeito da proibição das coligações sobre a fragmentação partidária pode ser ainda mais forte em função da cláusula de barreira para partidos que não alcancem determinado porcentual de votos. A cláusula prevista na EC 97/2017 entrará em vigor em 2022.”