Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

O editorial do Estadão nesta sexta-feira, 7, aborda o confronto do presidente Jair Bolsonaro com os governadores sobre o preço dos combustíveis. “Sem partido e sem grupo político definido, Bolsonaro sente-se livre para indispor-se com todos os governadores ao mesmo tempo. Seu objetivo, como resta evidente, é demonstrar que seu único compromisso é com o “povo”, a quem invocou várias vezes nos últimos dias. Primeiro, declarou que, se os Estados estão em dificuldade, “mais dificuldade que a do Estado é a do povo, que não aguenta mais pagar R$ 5,50 o litro da gasolina e o caminhoneiro pagar R$ 4,00 o litro do diesel”. Depois, declarou: “Chega desse povo sofrer. Isso não é populismo, é vergonha na cara. Ou você acha que o povo está numa boa?”.”

Em outro texto, analisa o arquivamento do processo de impeachment contra o presidente Donald Trump. “Tudo conspira a favor de um novo triunfo eleitoral de Trump, agora não mais como um outsider. Se ele sairá ou não vitorioso do pleito, o tempo dirá. Mas a democracia liberal certamente perderá um tanto mais de seu viço com uma vitória de Trump. Com ele, sedimenta-se a perniciosa ideia de que em política vale tudo, vale a disseminação de fake news, vale o ataque à liberdade de imprensa, vale a pressão ilegítima sobre aliados, vale a desconstrução dos organismos multilaterais que garantiram a ordem mundial vigente no pós-guerra.”

Também aborda o quanto o quinto corte consecutivo da taxa básica de juros, a Selic, pode representar o fim de um ciclo. “Ao contrário do que têm marcado as análises internacionais, a epidemia de coronavírus – originária da China e apontada com alto poder para afetar a evolução do comércio e da atividade econômica mundiais – não consta explicitamente da nota do Copom. Embora observe que a “deterioração do cenário externo” pode se tornar um fator de risco para a trajetória da inflação, o Copom refere-se apenas ao “recente aumento de incerteza” no quadro internacional.”

Tudo o que sabemos sobre:

governadoresJair BolsonaroSelic