Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O editorial do Estadão neste domingo aborda como serviço público, como o nome sugere, deve funcionar de maneira exemplar e, sobretudo, impessoal, seja qual for o governo. “Do mesmo modo, não se pode condenar quem interprete o anúncio do calendário de vacinação em São Paulo, feito sem que todos os testes necessários para averiguar sua eficiência tenham sido completados, como um gambito do governador Doria para prejudicar o presidente Bolsonaro – incapaz de apresentar um plano de imunização decente”, diz o texto.

Em outro texto, constata que o ‘Estado paralelo’ é uma realidade em vastas porções do Rio e cada vez mais no Brasil. “A venalidade das milícias ultrapassou a dimensão da segurança pública e ameaça perverter o tecido civil e o próprio Estado. A rapidez e a diversidade características da sua expansão exigem uma resposta igualmente rápida e diversificada. Além de uma atualização da legislação, é preciso extrapolar os meios convencionais de combate ao crime e investir em grupos especializados, novas táticas de inteligência e pesquisas”, diz o texto.

Por fim, lamenta ser incalculável o número de vidas perdidas sem necessidade nesta dança macabra do governo nesta pandemia. “Enquanto isso, é urgente que órgãos de controle como o Ministério Público, Controladoria-Geral da União, Tribunal de Contas da União ou a Comissão Mista do Congresso para a covid-19 se mobilizem para impedir que mais vidas sejam sacrificadas no altar da incompetência em que se transformou o Ministério da Saúde”, diz o texto.

 

Tudo o que sabemos sobre:

pandemiaJoão Doriavacina