Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

O editorial do Estadão neste sábado, 8, aborda a perda do impulso da inflação. “Especialmente bem-vindo foi o recuo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado com base nas despesas de famílias com rendimento monetário de 1 a 5 salários mínimos (o universo do IPCA é o das famílias com ganho mensal até 40 mínimos). A alta do INPC passou de 1,22% em dezembro para 0,19% em janeiro, menor variação para o mês desde a implantação do Plano Real. A alta em 12 meses passou de 4,48% para 4,30%. Os preços da comida aumentaram 0,45%, depois de terem subido 3,66% em dezembro. Esse recuo foi, de longe, o mais importante para a desaceleração do INPC.”

Em outro texto, analisa a falta de compromisso do Poder Judiciário e do Ministério Público em relação ao equilíbrio das contas públicas. “O Poder Judiciário executou R$ 2,36 bilhões acima do teto. O maior estouro foi o da Justiça do Trabalho, que gastou R$ 1,63 bilhão além do seu limite. Em seguida vieram a Justiça Federal (R$ 514 milhões), Justiça Militar (R$ 97 milhões), Justiça do Distrito Federal (R$ 80 milhões), Supremo Tribunal Federal (R$ 70 milhões), Justiça Militar da União (R$ 6,62 milhões) e Conselho Nacional de Justiça (R$ 3,8 milhões). Além disso, o Ministério Público da União ultrapassou o teto em R$ 90,05 milhões.”

Também escreve sobre o grau de preparação dos jovens para as ofertas e demandas do mercado de trabalho com base em pesquisa da OCDE. “A pesquisa Emprego dos sonhos: as aspirações dos adolescentes e o futuro do trabalho mostra que as expectativas de carreira mudaram pouco em duas décadas (Acesse aqui). Na verdade, concentraram-se fortemente em poucas carreiras. Segundo o levantamento de 2018 do Pisa, feito com meio milhão de estudantes de 15 anos, 47% dos meninos e 53% das meninas de 41 países disseram que esperam trabalhar em uma de apenas 10 carreiras – um aumento de 8% para os meninos e 4% para as meninas desde o início do século.”

Tudo o que sabemos sobre:

OCDEmercado de trabalhojovens