Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O Estadão comenta nesta quinta-feira, 17, sobre Jair Bolsonaro e seus aliados na “empreitada para arruinar a República”: comerciantes da Ceagesp, policiais, militares e o Centrão. “Desde sua posse, mas especialmente em meio à pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro não se comportou em nenhum momento como se soubesse o que fazer com o poder que os eleitores lamentavelmente lhe conferiram em 2018. Bolsonaro não preside a República; depreda-a – e nisso é coadjuvado não somente pelos fanáticos camisas pardas bolsonaristas, mas por muitos brasileiros comuns que, por ignorância do que vem a ser uma República, respaldam a vandalização da Presidência e, por extensão, da própria democracia.”

O “fim da novela” da eleição norte-americana também é tema de editorial. “Em condições normais, a reunião do colégio eleitoral americano para escolher o presidente dos Estados Unidos a cada quatro anos não passa de uma formalidade à qual os americanos não dão muita atenção. Tradicionalmente, os delegados estaduais que formam o colegiado apenas reiteram o que a maioria dos eleitores escolheu na votação popular algumas semanas antes. Em quase todos os Estados, há leis que simplesmente proíbem os delegados de contrariar a vontade dos cidadãos manifestada nas urnas. Mas ‘normal’ é uma palavra que pouco pode ser empregada para descrever a trajetória de Donald Trump na Casa Branca. Daí a importância do ato realizado no dia 14 passado.”