Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

O editorial do Estadão nesta quinta-feira, 13, analisa os descaminhos da reforma administrativa. “O presidente Bolsonaro age como se não tivesse nada a ver com as reformas, embora delas dependa, em larga medida, a própria governabilidade. Ao contrário, o presidente já mandou avisar que até aceita fazer uma reforma administrativa, desde que seja “a mais suave possível” e valha somente para os futuros funcionários, não para os atuais. A desculpa é o temor de que uma reforma radical possa desencadear protestos como os que sacudiram recentemente o Chile.”

Em outro texto, também aborda episódios nesses 15 anos de vida do Conselho Nacional de Justiça. “Às vésperas de completar 15 anos, o CNJ tem vários desafios pela frente. Um deles é melhorar sua imagem pública e, também, a da Justiça. Tem, igualmente, de ser mais eficaz, exigindo que o Judiciário corte gastos perdulários, como construção de palácios e renovação de frotas de automóveis, permitindo com isso que a instituição não ultrapasse o teto de gastos. E tem, ainda, de rever e ampliar sua política de metas, priorizando temas fundamentais para toda a população.”

E ainda fala sobre o descompasso entre varejo e indústria. “Num ambiente de baixo investimento, a indústria continua dependendo quase exclusivamente do impulso dado pelo consumo. Sobre esse ponto há uma nova dúvida, manifestada por analistas do mercado: haverá estímulo suficiente, se o recuo do varejo em dezembro indicar mais que uma acomodação temporária?”

Tudo o que sabemos sobre:

varejoindústriaCNJreforma administrativa