Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão desta quinta-feira, 11, faz uma ligação: relembra a posição de membros da operação Lava Jato, com críticas ao STF e ao Legislativo, para tentar entender como chegamos ao ponto de existir uma manifestação contra Poderes da República. “Na formação desse cenário tão esquisito, não se pode ignorar os efeitos da desinformação. A disseminação massiva de fake news contra as instituições democráticas confundiu e continua a confundir muitos corações e inteligências. Ao mesmo tempo, é inegável que a atuação de integrantes da Lava Jato contribuiu para difundir um sentimento de ojeriza em relação ao Congresso e ao Supremo.”

O jornal volta a tratar também dos problemas da atual gestão do Ministério da Educação. “Cansados de esperar pelos projetos do Ministério da Educação (MEC) para os diferentes níveis de ensino, tal a inépcia administrativa da pasta no primeiro ano de governo do presidente Jair Bolsonaro, vários secretários municipais e estaduais de Educação decidiram atuar na área com critérios próprios, independentemente das diretrizes que a União vier a anunciar no futuro. Com essa iniciativa, eles estão mostrando que o País pode funcionar sem depender de Brasília em algumas áreas importantes.”

A crise econômica que se acentua cada vez mais é tema do terceiro texto desta quinta. “O estado das contas públicas limita, naturalmente, as possibilidades de ação oficial contra os efeitos econômicos do vírus. Mas a limitação maior é a negação da gravidade dos desafios. Com o reconhecimento haveria, provavelmente, maior empenho na busca de respostas. As possibilidades incluiriam estratégias baseadas no uso do BNDES e de outros bancos estatais. Mas para isso seria preciso admitir uma emergência negada pelo presidente da República e pelo ministro da Economia.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão