Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O editorial do Estadão nesta segunda, 16, fala da escassez de estadistas diante do legado deixado pelo britânico Winston Churchill. “No Brasil, o cargo de estadista está vago, pois temos um presidente que não está à altura nem do cargo nem dos desafios que se lhe apresentam. É claro que nenhum dos candidatos a essa missão precisa ser um Churchill, mas é possível pelo menos almejar seu grande exemplo. Na tempestade perfeita que une um governo perdido, uma atmosfera de discórdia, uma economia letárgica e um vírus descontrolado, urge parar de perder tempo com tolices extremistas, produzidas pelo submundo delinquente da internet, e concentrar esforços para mobilizar a opinião pública contra o nosso grande e resiliente inimigo: a mediocridade.”

Em outro texto, analisa a profusão de legendas surgidas a partir das alterações na Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096/1995). “Além de consolidar limites razoáveis para a criação de partidos, exigindo que as novas legendas de fato representem politicamente uma parcela significativa da população – e, para tanto, não bastam assinaturas, é preciso contar com um programa mínimo de ideias e projetos –, cabe ao Poder Legislativo rever o sistema de financiamento público dos partidos. Enquanto houver recursos públicos sustentando legendas, existirá estímulo para que novos partidos sejam criados.”

Também analisa os desafios na saúde nesta década em alerta da OMS, incluindo surgimento de novos vírus. “Além disso, a OMS considera inevitável o surgimento de uma pandemia provocada por um novo vírus ainda mais infeccioso que o coronavírus – provavelmente uma variação da influenza – ao qual a maior parte das pessoas não é imune. A Organização conclama os países a preparar seus sistemas de saúde para o momento em que tais emergências eclodirem.”