Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão deste sábado, 28, trata da importância do jornalismo profissional em meio da crise do coronavírus que é acompanhada de uma epidemia de “fake news”. “De médico e louco todo mundo tem um pouco, diz o vulgo. Na era digital, vale acrescentar: de jornalista também. Muitos creem que as redes sociais tornaram a imprensa obsoleta. Os demagogos aproveitam esse sentimento para desmoralizar o jornalismo. Mas, quando todos podem ser difusores de informação, justamente os tempos de crise evidenciam que a apuração profissional é literalmente uma questão de vida ou morte.”

Discute também a redução das bolsas da Capes sem nenhum aviso prévio por parte do Ministério da Educação. “Sob a justificativa de ampliar os limites de variação no número de bolsas que cada programa de pós-graduação poderá receber a partir de agora, a Portaria 34 mudou parte das regras que a própria Capes havia anunciado há um mês. Ao todo, o sistema brasileiro de pós-graduação, que é disciplinado e avaliado por esse órgão, engloba 4,5 mil programas. Entre os critérios para a definição das bolsas a que cada um deles tem direito, destacam-se o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município onde o curso é oferecido, o número médio de alunos titulados e os conceitos de avaliação de desempenho.”

Trata ainda das medidas anunciadas pelo governo para combater o desemprego. “Desempregados e pobres entraram afinal na pauta do governo. O coronavírus forçou o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe a cuidar de assuntos deixados, até há pouco tempo, em segundo ou terceiro plano. A melhor vacina contra os efeitos econômicos da epidemia seria a aprovação de reformas, dizia há algumas semanas o ministro da Economia, Paulo Guedes. Que reformas – e aprovadas em quanto tempo? O programa de R$ 40 bilhões para financiamento de salários e proteção de empregos, anunciado na sexta-feira, foi mais um sinal da mudança. A emergência havia entrado de fato no radar da área econômica.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão