Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais?

Equipe BR Político

O principal editorial desta terça-feira do Estadão volta a se debruçar sobre notícias desconcertantes vindas do Ministério da Educação. Diante da informação de que a pasta estuda o descarte de mais de 2 milhões de livros didáticos armazenados por até 15 anos, que estariam desatualizados, o editorial cobra apuração rigorosa de tão má gestão de recursos públicos e alerta que faltam informações acerca da quantidade exata de livros armazenados e se o descarte é, de fato, a melhor solução.

“Se o descarte de quase 3 milhões de livros didáticos for realmente a solução mais razoável – estranhos tempos com tão estranhas soluções –, além de uma rigorosa apuração dos responsáveis por esse desperdício de dinheiro público, será necessário assegurar que nunca mais aquisições de livros tão mal feitas voltem a ocorrer. É preciso aprender com essa experiência, revendo os procedimentos e controles que desembocaram em tão má gestão da coisa pública”, alerta o texto.

Em outro texto, o jornal analisa a questão da produtividade no Brasil. Parte de um estudo da universidade de Oxford que mostra que, quando as reformas econômicas começarem a surtir efeito, o País estará vivenciando o envelhecimento da população e terá problemas ainda maiores de produtividade. Corremos o risco de “envelhecer antes de ficar ricos”, resume o editorial. “Os dados recentes são desanimadores. No terceiro trimestre de 2019, apesar de uma leve recuperação do nível de atividade econômica, a produtividade por hora trabalhada caiu 0,7% em comparação com o terceiro trimestre de 2018.”