Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão deste domingo, 5, aborda a a chegada do novo coronavírus em realidades de extrema pobreza, como é o caso da América Latina. “Cerca de 80 países pediram socorro ao Fundo até o fim de março. Os governos latino-americanos, com raras exceções, impõem o isolamento social, com maior ou menor rigor, como primeira forma de resistência à covid-19. Aprenderam com a experiência, e especialmente com os erros, dos primeiros países ocidentais atingidos pela doença. Tiveram a seu favor a aproximação pouco mais lenta da pandemia”.

Também sai em defesa do enfrentamento técnico da pandemia em território nacional. “A despeito das vontades do presidente da República, que segue cada vez mais aferrado a suas convicções sobre a melhor maneira de o País atravessar a pandemia, frontalmente contrárias às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, a sociedade mostra-se engajada no enfrentamento técnico, e sobretudo solidário, da maior ameaça sanitária dos últimos 100 anos.”

Aborda a situação econômica dos restaurantes em meio à pandemia e aposta que apenas no final do ano a situação desses estabelecimentos só voltará ao que era antes. “A aposta de que o movimento do comércio e dos serviços voltará aos poucos não é baseada só em previsões, mas também no comportamento da clientela na semana anterior à determinação da quarentena horizontal. Houve um “sumiço” gradual dos consumidores à medida que a notícia do confinamento se espalhou.”

Por sim, aponta que empresas que conseguiram se beneficiar neste movimento esperam manter a demanda em alta mesmo após a pandemia. “O susto provocado pelo coronavírus fez o comportamento do consumidor brasileiro mudar. Com o isolamento social, a preocupação com higiene pessoal e da casa fez explodir a busca por produtos de limpeza e também o uso de redes de internet, para garantir a comunicação mesmo à distância.”