Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão desta terça-feira, 14, aborda a reincidência do presidente Jair Bolsonaro em contrariar as recomendações de isolamento social feitas pelo Ministério da Saúde para conter a pandemia de covid-19. “De fato, o direito de ir e vir está entre os direitos e garantias fundamentais de todos os brasileiros, conforme a Constituição. No entanto, diferentemente do presidente da República, a maioria dos cidadãos está cumprindo as determinações dos governos locais, baseadas em consenso médico e científico, para que permaneça em casa e de lá só saia em caso de necessidade. Ou seja, milhões de cidadãos aceitaram um limite temporário a seu direito constitucional de ir e vir em nome da preservação de um precioso bem coletivo, isto é, a saúde pública.”

Também trata da alta do desemprego nos EUA como um alerta ao Brasil. “Em três semanas 16,8 milhões de pessoas correram em busca do auxílio-desemprego, segundo se informou em Washington no dia 9. Na última semana foram 6,6 milhões, na maior e mais veloz onda de demissões desde 1948. Só em abril as demissões podem chegar a 20 milhões, de acordo com estimativa corrente no mercado. Quando se registraram os primeiros casos da doença, os desocupados eram cerca de 3,5% da força de trabalho, uma das menores taxas da história. No fim de abril cerca de 15% poderão estar na rua, estimam economistas do setor financeiro.”

E aborda a realização, inédita até aqui, de sessão plenária por meio de videoconferência. “Até agora, a Corte só utilizava esse tipo de recurso nos julgamentos de suas duas turmas. Além dessa novidade, os principais itens da pauta dizem respeito às medidas de saúde pública tomadas pelos diferentes entes federativos para combater a pandemia do novo coronavírus. Entre os temas mais importantes se destacam procedimentos adotados por municípios, pelos Estados e pela União para a aquisição de bens, serviços e insumos e programas de renda mínima emergencial.”