Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Butantan relata óbito ‘não relacionado à vacina’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou na segunda-feira, 9, que o “caso adverso” ocorrido nos testes da vacina chinesa Coronavac foi a morte de um paciente não relacionada ao imunizante. Como você leu no final da noite de ontem aqui no BRP, a Anvisa decidiu paralisar os testes com o medicamento desenvolvido em parceria da farmacêutica Sinovac com o instituto.

“Em primeiro, a Anvisa foi notificada de um óbito, não de um efeito adverso. Isso é diferente. Nós até estranhamos um pouco essa decisão da Anvisa, porque é um óbito não relacionado à vacina”, disse Covas na TV Cultura.

“Ou seja, como são mais de 10 mil voluntários nesse momento, podem acontecer óbitos. Nesse momento, [o voluntário] pode ter um acidente de trânsito e morrer. Ou seja, é um óbito não relacionado à vacina. É o caso aqui. Ocorreu um óbito que não tem relação com a vacina. Portanto, não existe nenhum momento (ou motivo) para interrupção do estudo clínico”, acrescentou Covas.

Tudo o que sabemos sobre:

Instituto ButantanDimas Covasóbitoanvisa