Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Candidato à reeleição falta em primeiro debate à prefeitura de BH

Júlia Vieira

Exclusivo para assinantes

O atual prefeito de Belo Horizonte (MG), Alexandre Kalil (PSD), não compareceu ao primeiro debate entre candidatos à prefeitura da capital na quinta-feira, 1. A Band convidou 11 candidatos, cujos partidos têm representatividade no Legislativo. Kalil, assim como Bruno Engler (PRTB), Cabo Xavier (PMB), Marília Domingues (PCO) e Wanderson Rocha (PSTU), não esteve presente, enquanto lidera com folga (55% das intenções de voto) a disputa até o momento, segundo pesquisa realizada pelo Real Time Big Data.

Debate entre os candidatos à prefeitura de Belo Horizonte Foto: Reprodução/Youtube

Estiveram presentes Luísa Barreto (PSDB), Áurea Carolina (PSOL), João Vítor Xavier (Cidadania), Lafayette de Andrada (Republicanos), Marcelo Souza e Silva (Patriota), Fabiano Cazeca (Pros), Nilmário Miranda (PT), Rodrigo Paiva (Novo), Wadson Ribeiro (PCdoB) e Professor Wendel Mesquita (Solidariedade). A assessoria do atual prefeito apenas informou que Kalil não iria comparecer.

O debate foi marcado por altas críticas à atual gestão. Lafayette de Andrada (Republicanos) disse: “A atual administração cuidou da manutenção do que já existe como se fosse o sindico de um prédio”. “Eu pergunto a você: o que a prefeitura fez para melhorar a sua vida ao longo dos últimos anos? Eu tenho certeza que muito pouco ou quase nada”, indagou Luísa Barreto (PSDB).

João Vítor Xavier (Cidadania) questionou a ausência de Kalil. “Um prefeito que não dialoga, que não fala com a cidade, que não conversa, que não vem em um debate.” Fabiano Cazeca (Pros) se vendeu como uma alternativa: “Quero ser prefeito de Belo Horizonte para fazer diferente do que está sendo feito.” Wadson Ribeiro (PCdoB) também compõe o time de críticos à atual administração.

Entre os assuntos, a educação se destacou. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019, divulgado em setembro deste ano, mostrou que a rede municipal da capital de Minas Gerais não atingiu as metas propostas para os anos iniciais e finais do ensino fundamental. Além disso, os índices foram menores do que os registrados em 2017. Obras para contenção de enchentes, transporte público, emprego e renda, segurança e moradia também foram temas recorrentes no debate.