Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Carta de 162 entidades cobra atitude da ONU contra ação da Abin na COP

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Depois da revelação de que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) teria monitorado brasileiros na COP 25, no ano passado, entidades da sociedade civil e integrantes parlamentares da delegação brasileira na Conferência do Clima enviaram uma carta enviada à Organização das Nações Unidas cobrando a tomada de providências para coibir ações do tipo. A carta, com 162 assinaturas, foi enviada à secretaria executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas para Mudança Climática, Patricia Espinosa, informa o Estadão.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante a COP 25

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante a COP 25 Foto: Nacho Doce/Reuters

No documento, as entidades dizem que a operação realizada pela Abin em dezembro de 2019 e admitida neste mês pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, é “uma quebra séria de confiança e um precedente terrível para outras partes agirem contra a sociedade civil”.

Heleno, na ocasião, afirmou que “temas estratégicos devem ser acompanhados por servidores qualificados, sobretudo quando envolvem campanhas internacionais sórdidas e mentirosas, apoiadas por maus brasileiros, com objetivo de prejudicar o Brasil”.

Na carta, as entidades afirmam que “a decisão de um Estado de espionar seus delegados por qualquer razão que seja é extremamente preocupante. Viola a segurança e proteção dos delegados nas instalações da ONU. Compromete a privacidade, a liberdade de pensamento e expressão, e a imunidade consagrada na carta das Nações Unidas. Também viola o código de conduta das reuniões da convenção, que expressamente proíbe o assédio. É antiético e inaceitável. Esperamos que o Secretariado previna que tais abusos voltem a ocorrer no futuro”, diz a carta.

Tudo o que sabemos sobre:

ONUCOP-25Abinaugusto heleno