Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Carta do BR18: Comprador confirma versão de Flávio Bolsonaro, mas caso Queiroz segue sem explicação

Equipe BR Político

Por Vera Magalhães*

A confirmação, por parte do ex-jogador de vôlei Fábio Guerra, de que pagou cerca de R$ 100 mil em dinheiro vivo, e fracionado, por uma cobertura no bairro de Laranjeiras do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro reforça a versão dada pelo parlamentar para os depósitos de R$ 96 mil num intervalo de poucos dias em sua conta. Guerra confirmou que fez os depósitos de R$ 2 mil por conta do limite estabelecido pelo banco, e disse que pagou em dinheiro porque recebeu da mesma forma pela venda de outro imóvel.

É claro que todas as informações serão checadas caso Flávio passe a ser formalmente investigado, mas foi um dia de boa notícia para o filho de Bolsonaro depois de uma semana em que passou nas cordas. O caso Fabrício Queiroz, no entanto, segue sem explicação e com novos desdobramentos: até agora ninguém explicou a notícia de que dados do Coaf mostram movimentação de R$ 5,8 milhões nas contas do ex-assessor, além do R$ 1,2 milhão de 2016 e 2017, nos dois exercícios anteriores.

Enquanto isso, em Davos, o presidente Jair Bolsonaro levou seu outro filho, Eduardo, de carona no avião presidencial para o Fórum Econômico Mundial. Já em terras suíças, o presidente prometeu um discurso “curto, objetivo e claro” e comentou que quer ver “rapidamente” um novo governo na Venezuela.

Por aqui, os militares vão colocando as barbas de molho já que parece que a categoria não vai conseguir escapar da reforma da Previdência. Em conversas internas, se avalia que alguma concessão terá que ser feita. E Renan Calheiros dizendo que não quer ser presidente do Senado? Entenda essa história na newsletter do BR18.

* Com Gustavo Zucchi