Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Carta do BR18: Flávio Bolsonaro traz Caso Queiroz para dentro do governo

Marcelo de Moraes

Por Marcelo de Moraes *

A defesa do senador eleito Flávio Bolsonaro conseguiu que o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, suspendesse as investigações que o Ministério Público fazia sobre as movimentações financeiras atípicas feitas por Fabrício Queiroz. Ao impedir as investigações sobre seu ex-assessor, Flávio trouxe a crise para dentro do governo de seu pai, Jair Bolsonaro. Afinal, até então, o caso se restringia ao MP querendo explicações de Queiroz sobre as movimentações financeiras atípicas identificadas pelo Coaf. Agora, ao pedir que o Supremo suspenda as apurações, baseado numa dúvida altamente polêmica sobre foro adequado, Flávio passa a impressão que há algo grave que deseja esconder.

Para piorar, Flávio desmonta seu próprio discurso usado no caso. O ex-chefe diz que mal fala com Queiroz, mas age como seu procurador recorrendo justamente a uma liminar do STF, expediente sempre tão demonizado pelo bolsonarismo quando utilizado pelo PT ou outros adversários.

A decisão de Fux foi contestada até por pessoas simpáticas ao governo Bolsonaro, como a deputada estadual eleita Janaina Paschoal e o procurador Deltan Dallagnol. E os partidos de oposição, obviamente, deitaram e rolaram nas críticas ao presidente, que se elegeu, justamente, com um discurso fortíssimo em defesa da ética.

O dia já não tinha começado bem para os aliados do presidente por causa da critica pesadíssima feita pelo filósofo Olavo de Carvalho à delegação de parlamentares eleitos pelo PSL que fazem viagem pela China. Guru de boa parte dos integrantes e admiradores do governo Bolsonaro, Olavo chamou os parlamentares de “semianalfabetos” e “caipiras”. E afirmou que não era “guru dessa porcaria”.

A temperatura foi elevada também na disputa pelo comando do Senado, com Renan Calheiros partindo para cima de um de seus possíveis adversários, o senador Tasso Jereissati, a quem disse “que não bate continência”.

E a juíza Marília Castro Neves, que ganhou as manchetes ao espalhar fake news sobre a vereadora Marielle franco, voltou a atacar. Agora ela espalha ameaças nas redes sociais contra Guilherme Boulos, que concorreu à Presidência da República pelo PSOL. Tudo isso e muito mais aqui, na newsletter do BR18!

*Colaborou Gustavo Zucchi

Tudo o que sabemos sobre:

Newsletter