Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Carta do BR18: Governo tenta reduzir desgaste causado pelo Caso Queiroz

Marcelo de Moraes

Por Marcelo de Moraes *

O governo passou o dia tentando reverter o prejuízo político causado pelos desdobramento do Caso Queiroz. Depois que o ministro Luiz Fux determinou a suspensão das investigações contra Fabrício Queiroz, a pedido da defesa de Flávio Bolsonaro, o governo tentou criar fatos novos para escapar da agenda negativa provocada pelo caso. Usou uma espécie de cortina de fumaça, batendo bumbo para festejar a “abertura da caixa preta do BNDES”, divulgando uma lista com os maiores “devedores” do banco e atribuindo os exageros aos governos petistas. Só que se trata de uma lista com os maiores clientes do banco e que já era pública desde 2017.

Até eleitores do presidente Jair Bolsonaro usaram as redes sociais para cobrar explicações de Flávio que justifiquem o pedido de paralisação das investigações sobre as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do filho do presidente, identificadas pelo Coaf. Para piorar, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo, deu a entender que não vai conceder foro privilegiado para o senador eleito e vai permitir que tenham sequência as investigações do Ministério Público do Rio. “A lei vale para todos”, disse.

O presidente também se agarrou na economia, que continua provocando euforia na Bolsa de Valores, para tentar criar fatos positivos. Ele assinou medida provisória para combater fraudes no INSS. Pela medida, serão modificadas as regras de concessão de benefícios, como auxílio-reclusão, e promove revisão de benefícios com suspeitas de irregularidades na Previdência Social. A previsão é que a medida gere economia de R$ 9,8 bilhões no primeiro ano de vigência.

Mas o PT nem teve tempo de faturar politicamente sobre o adversário político. Na sua delação premiada, o ex-ministro petista Antônio Palocci disse que Lula pegou dinheiro vivo de propina da Odebrecht em caixas de celular e de uísque. Palocci declarou, no dia 13 de abril de 2018, que o ex-presidente pegou quantias de R$ 30 mil, R$ 40 mil e até R$ 80 mil de cada vez da empreiteira. Confira também a equipe do BR18 comentando as principais notícias da semana. Tudo isso em nossa newsletter!

* Com colaboração de Gustavo Zucchi

Tudo o que sabemos sobre:

Newsletter