Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

CCJ adia votação do relatório da Previdência

Equipe BR Político

O clima na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara não está nada pascal. A confusão foi tanta que gerou o adiamento da votação do relatório da reforma da Previdência para a próxima terça-feira, 23. A bagunça começou por causa da ausência do relator da reforma da Previdência, Marcelo Freitas (PSL-MG), do plenário, que irritou a oposição que, como já era previsto, estava tumultuando bastante os trabalhos. O presidente da CCJ, Felipe Francishini (PSL-PR), que nesta véspera de feriado parece mais nervoso do que de costume, havia pedido a suspensão da sessão por 15 minutos.

Antes da interrupção, na tentativa de acalmar os ânimos dos deputados, Francishini anunciava: “A campainha queimou, no grito ninguém ganha nada”. Do outro lado, deputados irritados com a presença de parlamentares da oposição ao redor da mesa da presidência pediam que eles se sentassem para que as atividades fossem retomadas. “Senta que o boi é manso”, gritavam.