Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Celso de Mello mantém voto sobre depoimento e diz que ninguém está acima da lei

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O decano do Supremo Tribunal federal (STF) Celso de Mello voltou a votar pela recusa do depoimento por escrito do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura interferência política na Polícia Federal em plenário nesta quinta-feira, 8. O minsitro defendeu sua posição invocando o princípio de que todos são iguais perante à lei.

“Nunca é demasiado reafirmar que a ideia de República traduz um valor essencial: a igualdade de todos perante as leis do Estado. Ninguém, absolutamente ninguém tem possibilidade para transgredir as leis. Ninguém está acima da autoridade e do ordenamento jurídico brasileiro”, afirmou.

O ministro, que participa de sua última sessão antes de se aposentar, já havia emitido decisão pelo depoimento presencial do presidente em setembro. A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu para que Bolsoanro seja autorizado a prestar informações por escrito e o caso foi ao plenário da Corte.