Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Centrão online

Equipe BR Político

Ainda não faz nem um ano que saímos da última eleição presidencial. Mas cresce cada vez mais e por todos os lados – apesar de alguns tentarem mudar de assunto – a ansiedade por projetar o pleito de 2022. O que se pode prever, é que mais uma vez, assim como foi em 2018, as redes sociais terão grande impacto no processo. Pensando nisso, dirigentes de partidos do chamado Centrão começaram a montar uma estratégia para conquistar, no ambiente virtual, o eleitor que se opõe à polarização entre direita e esquerda.

O plenário da Câmara dos Deputados. Centrão já articula estratégia para eleição de 2022.

O plenário da Câmara dos Deputados. Foto: Gabriela Biló/Estadão

O grupo formado por DEM, PP, PL, Republicanos (ex-PRB), Solidariedade e Avante ainda não tem uma nome de referência para 2022. Em uma reunião na quarta-feira, 11, dois profissionais de redes sociais foram levados para conversar com dirigentes do bloco. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estava entre os presentes. O plano do grupo é fortalecer o movimento na internet, justamente o ambiente onde mais tem sofrido desgaste desde a eleição de Jair Bolsonaro, tendo como bandeiras propostas para o crescimento e geração de empregos, além da defesa das reformas econômicas.

O público alvo, aqueles que não de colocam nem na caixinha da esquerda nem na da direita é considerada essencial para a estratégia. O estatístico Paulo Guimarães, guru do DEM, calcula esse universo em 60% do eleitorado. A avaliação é a de que muitos não querem a volta do PT, mas se decepcionaram com Bolsonaro e estão à procura de outros candidato, segundo o Estadão.

Tudo o que sabemos sobre:

centrão2022eleiçãoredes sociais