Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

CGM investiga entrega de cestas básicas perto de carro com jingle de Covas

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Após grande repercussão nas redes sociais, a Controladoria-geral do Município (CGM) abriu, na quinta-feira, 26, uma sindicância para investigar a ligação de carros de som com propaganda do prefeito Bruno Covas (PSDB), que disputa a reeleição, próximo a um local de distribuição de cestas básicas na Brasilândia, na Zona Norte da cidade.

Um vídeo gravado no local mostra um carro de som adesivado e tocando o jingle da campanha do tucano na Rua Raulino Galdino da Silva. A poucos metros dali, era feita uma distribuição de cestas, pelo Movimento Social Beneficente (Mosobe).

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou o Estadão que a distribuição dos alimentos faz parte do Programa Cidade Solidária, instituído no início da pandemia. Moradores da região, no entanto, afirmaram à reportagem que a entidade sempre distribuiu leite duas vezes por semana, mas essa foi a primeira vez que doou cestas básicas.

“Todas as entidades parceiras assinaram um termo de adesão com a Prefeitura de São Paulo se comprometendo a executar a distribuição das cestas respeitando integralmente às recomendações do Ministério Público Eleitoral. Qualquer ação por parte das entidades que não tenha respeitado a recomendação descumpre o acordo estabelecido no termo de adesão e será apurada”, diz a Prefeitura.

Em entrevista ao Estadão, o diretor da Mosobe, Emilson Almeida da Silva, negou irregularidades na distribuição das cestas básicas feita na última quinta. De acordo com Silva, a associação entregou kits para mais de 400 beneficiários do programa VivaLeite, do Governo do Estado de São Paulo. Ele argumenta que o carro de som que reproduz música de campanha de Bruno Covas no vídeo era de um dos cadastrados na iniciativa que parou para recolher sua cesta básica. “É a sétima vez que entregamos cestas básicas neste ano”, pontuou.

O diretor da entidade, que integra a rede PSDB na Brasilândia, garantiu que a Mosobe é apartidária e negou a existência de ligações do evento com a campanha do atual prefeito. “Estão dizendo que estávamos entregando material de campanha, é mentira. Eu estava entregando uma senha, junto com uma folha informando o material que ia ser entregue e que a pessoa tinha que vir com máscara e trazer documentação, RG e CPF.”, disse Silva.

O tema acirrou a reta final da disputa pela prefeitura paulistana. No Twitter, o candidato Guilherme Boulos, do PSOL, afirmou que sua campanha vai tomar medidas cabíveis sobre o episódio. “Centenas de pessoas entraram em contato para denunciar a distribuição de cestas básicas na periferia às vésperas da eleição em atividades de campanha de Bruno Covas.”, afirmou.

A campanha do candidato Bruno Covas disse, em nota, que não distribui cestas básicas. “É inadmissível que, há três dias das eleições, este tipo de conduta esteja sendo compartilhada.”