Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Chefe do Ibama que criticou operações é exonerado

Equipe BR Político

Durou pouco a administração do coronel da Polícia Militar Evandro Cunha dos Santos no Ibama do Pará. Uma semana após ser nomeado para ser o superintendente regional do órgão no Estado, o coronel foi exonerado na terça-feira, 10. Segundo o Estadão, a decisão deve ser publicada nesta quarta-feira, 11. Evandro Cunha dos Santos causou polêmica entre os servidores do Ibama após criticar a destruição de maquinários usados em crimes ambientais por parte dos servidores.

A destruição de equipamentos usados para cometer crimes ambientais é uma medida prevista em lei, e é tomada apenas em casos onde a remoção do equipamento não se mostra viável. Uma das formas de destruir o maquinário apreendido é queimando-o. O então superintendente criticou a prática, dizendo que é “um homem de Deus e que homem de Deus não gosta de fogo”. “Fiquem certos que isso vai cessar. Nós vamos trabalhar diuturnamente para acabar com essa problemática de estarem danificando patrimônio alheio”, afirmou Cunha dos Santos.

A fala gerou críticas duras entre os servidores do órgão ambiental. “Observa-se total desconhecimento do superintendente sobre a legislação correlata o que, em virtude da exposição pública, acirrou os ânimos e elevou os riscos aos agentes na região de Altamira, repercutindo diretamente nas ações em andamento na região”, declara um documento enviado à Coordenação-Geral de Fiscalização do Ibama à Diretoria de Proteção Ambiental do Ibama. Além deles, a Associação dos Servidores do Meio Ambiente no Pará enviou um ofício Ministério Público Federal, pedindo a apuração dos fatos.

Tudo o que sabemos sobre:

Ibamacrimes ambientaisexoneração