Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Chineses no jogo pelo 5G

Equipe BR Político

O ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Marcos Pontes, decidiu que não haverá nenhum tipo de restrição à tecnologia chinesa nem a nenhuma outra no leilão de frequências de 5G, marcado para ocorrer no segundo semestre de 2020. Em entrevista ao Estadão, o ministro afirmou que apesar de China e EUA estarem protagonizando disputas em torno dessa tecnologia, qualquer tipo de veto aos chineses deveria ser feito baseado em dados, não apenas em pressão. O governo brasileiro tenta se manter neutro na guerra entre os dois gigantes.

“A nenhuma delas. As empresas de telecom, que são as que participarão da disputa, vão ficar livres para contratar a tecnologia de quem elas quiserem”, garante. O presidente Jair Bolsonaro havia deixado a decisão nas mãos do ministro.

“Qualquer tipo de ação com relação ao mercado tem de ser feito baseado em dados. Nós não interferimos no mercado, nós fazemos regulação e fiscalização. (Excluir uma empresa) seria a mesma coisa de o Ministério da Infraestrutura resolver tirar a Volkswagen do Brasil. Tem de ter uma razão muito forte para um tipo de ação desse tipo”, disse.

As dúvidas sobre de que lado o Brasil ficaria em relação à guerra entre chineses e norte-americanos se intensificou depois de o presidente Bolsonaro receber no Palácio do Planalto o presidente-executivo da Huawei no Brasil, Wei Yao.

Notícias relacionadas