Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Cientistas são ‘atropelados’ em versão final de plano de vacinação do governo

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Um grupo de cientistas que fez parte do comitê que assessorou o Ministério da Saúde na elaboração do plano nacional de vacinação contra a covid-19 – e cujos nomes constam na lista de colaboradores do documento – divulgou nota na noite de sábado, 12, afirmando não ter sido consultado sobre a versão final do texto, tornado público neste sábado após o governo federal enviar o plano ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“Nos causou surpresa e estranheza que o documento no qual constam os nomes dos pesquisadores deste grupo técnico não nos foi apresentado anteriormente e não obteve nossa anuência”, diz nota assinada por 36 especialistas do grupo técnico do eixo epidemiológico do comitê.

FDA autorizou uso emergencial do imunizante contra covid-19. Foto: Mount Sinai Health System/AFP

Na nota, os pesquisadores dizem que ficaram sabendo da divulgação do plano pela imprensa. Eles destacam que, antes da divulgação do documento, haviam solicitado reunião com o ministério e “manifestado preocupação” com a retirada de grupos prioritários (presidiários foram removidos da lista de grupos que seriam vacinados) e com a não inclusão de todas as vacinas disponíveis que se mostrarem seguras e eficazes. O pedido havia sido feito na quarta-feira, 9, em outra nota pública divulgada pelo grupo.

Os especialistas voltaram ainda a cobrar que “todas populações vulneráveis sejam incluídas na prioridade de vacinação, como indígenas, quilombolas, populações ribeirinhas, privados de liberdade e pessoas com deficiência”. Eles destacam ainda a necessidade de “ampliação do escopo para todos os trabalhadores da educação” (não só os professores) e a inclusão de funcionários de outros serviços essenciais. As informações são de Fabiana Cambricoli e Rafael Moraes Moura, do Estadão.