Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Citado em reunião, Arthur Virgílio vai ao STF contra Bolsonaro

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM), apresentou na segunda, 1, uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) após ser citado com ofensas na reunião ministerial do dia 22 de abril exibida em vídeo no final de maio, hoje avaliado pelo STF como eventual prova de que o chefe do Planalto possa ter interferido politicamente na Polícia Federal.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto Foto: Dida Sampaio/Estadão

Naquela reunião, Bolsonaro chamou Virgílio de “bosta”: “Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né? “E nós sabemos o … o que, a ideologia dele e o que ele prega. E que ele sempre foi. O que a … tá aproveitando agora, um clima desse, pra levar o terror no Brasil. Né?”.

A peça apresentada pelos advogados do prefeito de Manaus ao STF pede que a queixa-crime seja submetida também à Câmara dos Deputados, para ser analisada sobre a possibilidade de abertura de processo penal contra o presidente da República. “Afirmar que alguém faça uso político da dor alheia e deseje aterrorizar a população é, efetivamente, agir não apenas para lhe expropriar a honra, enquanto uma das várias expressões da dignidade humana, mas a própria humanidade e, com isso, qualquer respeito que lhe seja devido”, afirma o texto da ação.