Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Com autorização do STJ, computadores e celulares de Witzel são apreendidos

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Operação Placebo deflagrada nesta manhã de terça, 26, contra alvos do governo fluminense incluiu autorização do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, para que a Polícia Federal apreendesse “equipamentos eletrônicos de qualquer espécie” do governador Wilson Witzel. As mídias descritas na decisão datada de 21 de maio incluem pen drives, notebooks, HDs e smartphones, tendo a PF recolhido três computadores e três celulares na residência do governador na manhã desta terça, 26, informa o Estadão.

Quando o ministro Celso de Mello, do STF, encaminhou pedido da oposição à Procuradoria-Geral da República para que o celular do presidente Jair Bolsonaro fosse apreendido, o ministro Augusto Heleno peitou a decisão do decano pelas redes sociais. Isso no contexto de outro inquérito, aberto na Suprema Corte, para apurar se o chefe do Palácio do Planalto interferiu politicamente na Polícia Federal. Hoje, Bolsonaro parabenizou a operação da PF.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel Foto: Wilton Júnior/Estadão

Ao todo 12 buscas foram realizadas por equipes da PF na manhã desta terça. Entre os alvos estavam o Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador, o Palácio da Guanabara, sede oficial do Executivo fluminense, o escritório de advocacia da primeira dama Helena Witzel e uma casa em que o mandatário morava antes de assumir o governo Rio, no Grajaú, zona norte. A operação foi desencadeada para apurar suspeitas de desvios de recursos públicos no combate ao novo coronavírus. O governador nega ter praticado qualquer irregularidade. Antes aliado e hoje desafeto de Witzel, o presidente Jair Bolsonaro, por outro lado, parabenizou o trabalho da PF.

Tudo o que sabemos sobre:

Wilson WitzelSTJcelular