Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Com reprimenda, general ‘abraçaria’ PM que protegeu mulher com taco de beisebol

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O general João Camilo Pires de Campos, secretário de Segurança Pública do Estado, defendeu com reprimenda, em coletiva nesta segunda, 1, o policial militar que no domingo, 31, na Avenida Paulista, durante atos contra e pró-democracia, conduziu gentilmente uma manifestante pró-bolsonarista que portava um taco de beisebol para fora do ambiente de protestos, enquanto do lado dos chamados grupos antifascistas se viam disparos de bombas de gás lacrimogêneo para dispersar uma briga entre os coletivos antagônicos. “A atitude do policial merece um elogio. Ele fez aquilo que exatamente que faz no emprego progressivo da força”, disse.

Ato contra o governo de Jair Bolsonaro termina em confronto com Policiais Militares na Av. Paulista, em São Paulo. Foto: Taba Benedicto/Estadão

Segundo ele, “contudo”, o PM deveria ter recolhido a “arma” e que, por isso, o policial será “reorientado”. “O meu abraço (ao policial), mas com reorientação que o taco deveria ter sido retirado”, acrescentou. O governador João Doria aproveitou a pergunta para reforçar que os futuros atos entre os grupos antagônicos serão realizados em dias distintos e que haverá revista para recolher materiais que possam ser usados para provocar danos aos participantes.

Tudo o que sabemos sobre:

beisebolPM-SPPaulista