Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Convite de Bolsonaro a Temer sela aproximação

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

O convite diplomático feito pelo presidente Jair Bolsonaro ao seu antecessor na Presidência, Michel Temer, sela a aproximação que vem ocorrendo entre os dois nos últimos meses.

Michel Temer e o presidente Jair Bolsonaro, em evento em 2018, no Rio de Janeiro Foto: Wilton Junior/Estadão

De maneira discreta, Temer tem atuado como uma espécie de conselheiro político de Bolsonaro. Foi o ex-presidente, por exemplo, quem sugeriu que Bolsonaro parasse com as paradinhas recheadas de declarações polêmicas que fazia toda manhã na saída do Palácio da Alvorada.

No mês passado, em entrevista à Rádio Cultura FM, Temer disse que afirmara a Bolsonaro que a passagem pelo “cercadinho” era “pouco prudente” para o presidente. Em outra entrevista, desta vez ao Metrópoles, o emedebista esclareceu como se deu a aproximação entre os dois.

“Ele mandou uns interlocutores falarem comigo, trocar ideias, e repeti o que tenho dito”, contou. Temer também disse que aconselhou Bolsonaro a não participar mais de “coisas que agridem o Congresso e o STF”.

Diferentemente do que têm feito os últimos presidentes do País desde o início da gestão de Bolsonaro, Temer foi o único a não se comprometer com críticas mais duras ao atual ocupante do Planalto.

Filho de libaneses, ontem ele foi nomeado por Bolsonaro como chefe da missão oficial de ajuda humanitária e técnica que vai ao Líbano para auxiliar na reconstrução do país após as explosões que destruíram a região portuária de Beirute. Como você leu no BRP, participação de Temer na comitiva, no entanto, ainda precisa de autorização da Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonaroMichel TemerLíbano