Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Convocação para ato nasceu em tom de revanche

Equipe BR Político

Monitoramento feito em grupos públicos de WhatsApp que têm a mobilização política como motor mostra que a mobilização para os atos do próximo domingo começaram como uma resposta aos atos em defesa da Educação e teve, inicialmente, tom de revanche e de ataque ao Legislativo e a outras instituições, além da defesa de Jair Bolsonaro.

O mapeamento é feito pelo WhatsApp Monitor, ferramenta de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e foi publicado em reportagem pelo Estadão. Os dados mostram que foi no fim de semana que o acirramento dos chamamentos aos atos atingiu o grau máximo, com a difusão, nos grupos, de imagens de conteúdo messiânico. Na véspera, Bolsonaro divulgara, também no WhatsApp, o famoso texto dizendo que o País era “ingovernável” sem “conchavos”.

Tudo o que sabemos sobre:

manifestaçõesconvocaçãowhatsapp