Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Corregedor ‘a jato’ a favor de Deltan

Equipe BR Político

O procurador da República Deltan Dallagnol, chefe da Operação Lava Jato em Curitiba, passou o fim de ano com seis preocupações a menos na cabeça. Esse é o número de reclamações disciplinares arquivadas a mando do corregedor nacional do Ministério Público, Rinaldo Reis Lima, que levou 20 minutos para tomar as decisões. Vejam quais:

  • Palestras: ele é acusado por deputados de receber para realizar palestra e gravar vídeo promocional para a Neoway Tecnologia, investigada na Lava Jato, e de ter feito encontro secreto organizado pela XP Investimentos.
  • Renan: Segundo reclamação do senador Renan Calheiros, com base em informações do site The Intercept Brasil, Deltan violou o dever legal de sigilo e investigações não oficiais contra o ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal.
  • Impeachment de Gilmar Mendes: A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia apresentou representa contra os procuradores Deltan e Thaméa Danelon por terem supostamente articulado o pedido de impeachment do ministro.
  • Investigações ilegais: A Associação Nacional de Desembargadores também havia entrado com representação no Conselhão contra Deltan por supostas investigações ilegais contra Gilmar Mendes e Dias Toffoli. O corregedor nacional foi pelo arquivamento.
  • Fundo da Lava Jato:  Deputados condenavam a cláusula de acordo que destinava cerca de 50% dos valores devolvidos pela Petrobrás por esquemas nos Estados Unidos à “satisfação de eventuais condenações ou acordos com acionistas que investiram no mercado acionário brasileiro (B3) e ajuizaram ação de reparação”.
  • Narrativa: Deltan foi acusado de prevaricação, abuso de autoridade e denunciação caluniosa pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS). O deputado afirmava que as informações divulgadas pelo The Intercept Brasil comprovaram a intenção  de Deltan de “construir narrativa com o escopo de desestabilizar o governo da então presidente Dilma Rousseff, com ciência e manutenção de áudios sigilosos de interceptação telefônica”.

Tudo o que sabemos sobre:

Deltan DallagnolCNJLava Jato