Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Coutinho diz que tentam criminalizar desenvolvimento da Paraíba

Marcelo de Moraes

Exclusivo para assinantes

Alvo de mandado de prisão na Operação Calvário – Juízo Final, o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) afirmou em nota oficial que vai antecipar seu retorno ao País para se colocar à disposição da Justiça “para que possa lutar e provar minha inocência”.

As investigações tratam de supostos desvios de recursos públicos de R$ 134,2 milhões e que teriam sido destinados para campanhas eleitorais e para agentes políticos. Por estar de férias no exterior, o ex-governador teve o nome incluído na difusão feita pela Interpol em busca de pessoas procuradas em seus países.

“Fui surpreendido com decisão judicial decretando minha prisão preventiva em meio a uma acusação genérica de que eu faria parte de uma suposta organização criminosa. Com a maior serenidade digo ao povo paraibano que contribuirei com a Justiça para provar minha total inocência. Sempre estive à disposição dos órgãos de investigação e nunca criei obstáculos a qualquer tipo de apuração”, afirma Coutinho na nota oficial.

O político diz lamentar o que considera como a “criminalização” do processo de desenvolvimento da Paraíba. “Acrescento que jamais seria possível um Estado ser governado por uma associação criminosa e ter vivenciado os investimentos e avanços nas obras e políticas sociais nunca antes registrados. Lamento que a Paraíba esteja presenciando o seu maior período de desenvolvimento e elevação da autoestima ser totalmente criminalizado. Estou em viagem de férias previamente programada, mas estarei antecipando meu retorno para me colocar à inteira disposição da justiça brasileira para que possa lutar e provar minha inocência”, disse o ex-governador.

Tudo o que sabemos sobre:

Ricardo CoutinhoparaíbaPFoperação