Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Covas critica reforma tributária, que pode tirar R$ 10 bi da cidade

Marcelo de Moraes

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, criticou o conteúdo da proposta de reforma tributária que está sendo discutida no Congresso, afirmando que ela pode causar perdas de cerca de R$ 10 bilhões em dez anos para a cidade. O problema aconteceria pela mudança proposta na cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS). Na série de entrevistas promovidas pelo BRPolítico, Covas revelou hoje que tem conversado com os prefeitos das maiores cidades, que também serão afetados pelo problema, para tentar reverter a situação.

O prefeito e candidato à reeleição em São Paulo, Bruno Covas (PSDB)

O prefeito e candidato à reeleição em São Paulo, Bruno Covas (PSDB) Foto: Tiago Queiroz/Estadão

“A projeção para a cidade de São Paulo é da perda de R$ 10 bilhões para os próximos dez anos. Mas acho que muito mais que tratar da perda da arrecadação da cidade de São Paulo é a confusão que nós teremos nos próximos anos. Nós vamos ter no País a convivência de dois sistemas tributários distintos (durante o processo de transição de um modelo para o outro). Então, ano a ano, você vai ter que mudar a forma de pagar tributo no País para poder ter, num prazo de vinte anos, a mudança de um sistema para outro sistema”, criticou.

Para Covas, se a reforma for aprovada dessa maneira, terá forte impacto sobre o setor de serviços, justamente um dos que mais geram empregos na cidade, e resultará no aumento de preços.

“Vamos ter aumento nos planos de saúde, nas escolas privadas, em todos os serviços que são realizados. E a cidade de São Paulo é uma cidade de serviços. Então, não estamos apenas preocupados com a arrecadação da prefeitura. Estamos preocupados que, num momento de crise, em que se fala de retomada econômica, vai se atacar com o aumento de carga tributária o principal elo que gera postos de trabalho na cidade de São Paulo. Então, é muito preocupante”, disse. “Tenho falado com muitos prefeitos. Todos os grandes municípios estão preocupados com isso”, afirmou.