por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: A Bíblia de Paulo Guedes

Vera Magalhães

Se para Jair Bolsonaro e muitos integrantes do governo a Bíblia é o livro mais citado, inclusive para justificar decisões políticas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem a sua própria obra de cabeceira, cujos postulados vem confrontando com a realidade política que está aprendendo a descortinar e que tem-se mostrado, a seus olhos, cada vez mais real. Trata-se de A Sociedade Aberta e os Seus Inimigos, obra de filosofia política em dois volumes do austríaco Karl Popper escrita durante a Segunda Guerra Mundial e um dos livros mais importantes do cânone liberal do século 20.

“O script já está escrito: estamos vivendo a dinâmica de uma sociedade aberta”, costuma dizer –ou escrever, em inglês, em mensagens de WhatsApp para apoiadores, jornalistas, deputados e governadores– o ministro, em tom otimista quanto ao sucesso de sua empreitada de conciliar economia liberal com ideias conservadoras de Bolsonaro. Para Guedes, a essência tanto da democracia quanto dos mercados é a criação de unidades de inteligência descentralizadas, porém engajadas de tomar decisões cooperativas. “Como estamos fazendo agora”, diz a interlocutores, animado com a possibilidade de cooperação aberta a partir da conversa com Rodrigo Maia. / Vera Magalhães