por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Bebianno e o ponto de não-retorno

Vera Magalhães

A pergunta do dia é: Gustavo Bebianno cai ou fica? Jair e Carlos Bolsonaro conduziram o episódio Gustavo Bebianno de maneira tão desastrada que, se o ministro cair, haverá uma crise de consequências imprevisíveis e, se ficar, depois de ser chamado reiteradas vezes e em multimídia de mentiroso, estará dado o atestado de que emparedou o presidente da República porque sabe demais a seu respeito e de sua família –como vem deixando escapar em pílulas até aqui bem controladas toda vez que fala.

Bebianno sabe disso e já começou a construir uma saída “jurídica” para sua permanência. Ao divulgar uma nota com pormenores de sua atuação na presidência do PSL, e inclusive com gráficos, quer dar a Bolsonaro um gancho para dizer que conversou com o auxiliar e ele por ora se explicou, que não há provas de sua responsabilidade no caso do laranjal de candidatas do PSL e que esperará as investigações. Mas e a lambança do Twitter e da entrevista à Record? Como apagar a humilhação pública? Impossível, este é um ponto de não-retorno. A relação seguirá eivada de desconfiança de lado a lado e Carluxo, descontente de não conseguir defenestrar o desafeto, o estará esperando na próxima curva do Twitter. E a ameaça do “homem que sabe demais” ficará pairando sobre o governo, ainda que se arrume uma saída mais honrosa para Bebianno mais à frente. / Vera Magalhães