Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Bolsonaro em campanha no auge da pandemia

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro estava em êxtase nesta quinta-feira. De volta aos dias gloriosos da campanha eleitoral, quando era recebido em aeroportos aos gritos de “Mito! Mito!” e rapidamente tratava de viralizar os vídeos nas redes sociais, repetiu a dose em São Raimundo Nonato, no Piauí.

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta quinta

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta quinta Foto: Alan Santos/PR

Acontece que a cena se dá longe de qualquer eleição, no dia seguinte ao pior dia em número de mortos e novos casos registrados desde o início da pandemia.  O Brasil, País que ele governa há um ano e meio, tem mais de 90 mil cadáveres por conta da covid-19 e 2,5 milhões de infectados pelo novo coronavírus.

Ainda assim o presidente esbanja felicidade. Tira a máscara, abana o chapéu-coco, monta a cavalo, promove aglomerações numa viagem em que visitou o Parque Nacional da Serra da Capivara.

Toda a festa do presidente foi feita no dia em que se anunciou que sua mulher, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, está, também ela, com o novo coronavírus, embora não apresente sintomas. Mas Bolsonaro era só sorrisos no lombo do cavalo, de novo sem nada a dizer ao País que governa diante da evidência de que não conseguimos achatar a curva de contaminação e não há sinal de que isso aconteça no horizonte próximo.

Ciceroneado no Estado, governado pelo PT, pelo presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira, réu no processo chamado de “Quadrilhão do PP”, Bolsonaro foi recebido também aos gritos de “fim do Lava Jato, fim do Lava Jato!”, no sinal mais inequívoco até aqui de rompimento com uma das bandeiras que ajudaram a elegê-lo.

O divórcio do bolsonarismo com o lavajatismo começou com o rompimento entre Bolsonaro e Sérgio Moro, em maio deste ano. Agora, a Procuradoria-Geral da República investe contra a operação, fechando o cerco aos procuradores que a encabeçaram e a seus métodos. De novo, trata-se de algo que tem as eleições de 2022 na mira.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonarocampanhaeleição