Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Bolsonaro retalia Moro após ‘Roda Viva’

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

Jair Bolsonaro é um político que não consegue dissimular suas paranoias e intenções. E que tem mania de perseguição, vê tentativas de golpe em todos os lados e só pensa na candidatura à reeleição em 2022. Esse coquetel de características tão óbvias explica por que, a despeito de Sérgio Moro ter declarado fidelidade ao presidente durante todo o Roda Viva, Bolsonaro agora parte para a retaliação pura e simples a seu ministro da Justiça.

Foto: Marcos Corrêa/PR

A enorme repercussão da entrevista de Moro ao programa, que bateu recorde de audiência do Roda Viva em mais de um ano e já foi vista por mais de 1,5 milhão de pessoas no canal do programa no YouTube, incomodou o presidente.

No dia da entrevista, um dos ministros mais próximos a Bolsonaro, o general Augusto Heleno, tuitou que Moro havia sido submetido a uma tentativa de “constrangê-lo”, por uma bancada “mal intencionada”. O próprio Moro, no entanto, tuitou dizendo que a experiência foi positiva, e que as perguntas haviam sido duras, mas delicadas.

Dois dias depois, Bolsonaro volta a cogitar tirar da pasta de Moro a Segurança Pública, justamente a área cujos índices positivos têm sido usados pelo ministro como a parte mais positiva de seu primeiro ano à frente do ministério. Decreto assinado por Bolsonaro também retira de Moro a decisão sobre expulsão de estrangeiros do Brasil.

Além da evidente força política de Moro, parece ter incomodado Bolsonaro o fato de que, mesmo dizendo que não contraria publicamente o presidente, o ministro, de maneira a mostrar que hoje é muito mais político do que já foi, tratou de delimitar a diferença em relação ao chefe em vários temas sensíveis: relação com a imprensa, juiz de garantias e delações premiadas, para ficar nos mais explícitos.

Também revelou ter aconselhado Bolsonaro a demitir Roberto Alvim, e, ao responder à pergunta da editora-executiva do Estadão, Andreza Matais, sobre a mudança de posição no caso Marielle Franco, ao não federalizar as investigações, mostrou que tem uma carta sensível ao presidente na manga, para usar ou não.

Moro não foi assertivo quanto a seu futuro, se na política ou não. Disse claramente que vislumbra vários caminhos para si, e que pode fazer um “sabático” quando deixar o governo. Se insistir em esvaziar Moro por medo de tê-lo a sua sombra, Bolsonaro pode fornecer a justificativa que o ministro precisa para deixar o governo, fazer o tal sabático e voltar candidato em um ano ou dois. É, como se sabe pelas pesquisas, o único hoje capaz de ameaçar a reeleição de Bolsonaro.