Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Doutrinação em canal estatal

Vera Magalhães

E o governo Jair Bolsonaro, aos poucos, vai praticando, com sinal trocado, tudo o que criticava nas administrações do PT. Depois de passar anos criticando o uso de aparato estatal para promoção de ideologia de esquerda, a doutrinação por meio da Educação, a existência de TV estatal para promoção política e o aparelhamento político do Estado, o governo, por meio do Ministério da Educação, vai começar a usar a TV Escola para exibir a versão revista da história do Brasil Paralelo, uma produtora de direita que se notabilizou na campanha por promover as ideias olavistas e fazer campanha para Bolsonaro.

Um dos argumentos bolsonaristas é que houve cessão do material a ser veiculado –vai estrear uma série sobre História do Brasil com Olavo de Carvalho como um dos entrevistados, batizado de A Última Cruzada— e não haverá pagamento. E quanto à propaganda de graça do canal nos meios estatais? E a dispensa de qualquer processo licitatório ou concorrencial para definir o material a ser apresentado? E o que Bolsonaro tem a dizer de usar um meio público para difundir uma visão de mundo sectária, da direita, como acusava a esquerda de fazer?

A promessa de campanha de acabar com a EBC, apelidada ao longo de anos como “TV Lula”, foi imediatamente aposentada após a vitória. Nos governos petistas, documentários e programas jornalísticos da TV pública também eram formas de contratar blogueiros, documentaristas e jornalistas alinhados com o petismo –sob críticas, então, da direita, Bolsonaro inclusive.

O aparelhamento dos canais públicos pelo olavismo coincide com o lançamento de um jornal conservador sob os auspícios do ideólogo, o Brasil sem Medo, que deverá reunir expoentes da direita bolsonarista hoje dispersos em páginas, sites, blogs e perfis nas redes sociais. Também vem na esteira de outro aparelhamento: o de cargos públicos na área cultura, deslocada para o Ministério do Turismo, por pupilos do autoproclamado filósofo.