por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Rêgo Barros caiu na rede

Vera Magalhães

O porta-voz da Presidência, Octávio do Rêgo Barros, foi mais uma vítima da frigideira de reputações do bolsonarismo. Como ocorreu com o também general Carlos Alberto Santos Cruz, Rêgo Barros caiu em desgraça com Carlos Bolsonaro e seus aliados no governo. O arranjo, por ora, foi mover sua estrutura para além do guarda-chuva da Secom, promovendo mais um puxadinho de atribuições num Planalto já disfuncional.

O “pecado” de Rêgo Barros foi manter uma relação cordial e institucional com a imprensa. Ou seja: cumprir sua missão. O que Jair Bolsonaro diz não está no “job description”, até porque não haveria quem pudesse controlar a verborragia presidencial, como se vê. Se o processo de cocção do porta-voz seguir o dos outros ministros palacianos que já foram defenestrados, a remoção de sua estrutura não será suficiente para preservá-lo da máquina de moer reputações bolsonarista. / Vera Magalhães