Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Da Vera: Troca na Justiça mostra Moro em busca de interlocução

Vera Magalhães

A saída da secretária nacional de Justiça, Maria Hilda Marsiaj Pinto, e sua substituição por Vladimir Passos de Freitas, ex-desembargador do TRF-4 com bom trânsito no Judiciário, mostra Sérgio Moro em busca de maior interlocução e de deixar um legado na área à qual estava ligado na origem e de ter mais voz nos debates concernentes a ela –como a polêmica em torno do juiz de garantias, a da prisão após condenação em segunda instância e a tentativa de estabelecer quarentena para ministros do STF entrarem na política ou mudar os critérios de indicação para cortes superiores.

A procuradora Maria Hilda foi indicada para o cargo pela sua atuação no grupo de trabalho da Lava Jato no STF e sai por vontade pessoal mesmo, segundo o BRP apurou. Ela não deu muitos detalhes a Moro. Mas pessoas próximas ao ministro dizem que a troca permitirá a ele imprimir à Secretaria Nacional de Justiça uma marca própria, uma vez que o desempenho da secretária era considerado correto, mas não de destaque.

Com Passos Freitas é diferente: ele, que já chefia a assessoria legislativa do ministério, tem uma história muito maior de proximidade com o ministro, anterior inclusive à Lava Jato. Foi ele que, à frente do TRF-4, instituiu uma vara especializada em crimes financeiros em Curitiba. Chegou a ser cotado ao STF na vaga que acabou sendo dada a Ricardo Lewandowski e é um autor respeitado nos meios jurídicos.

Interlocutores de ambos avaliam que ele pode ajudar Moro na relação com os ministros de tribunais superiores, que ainda têm um “pé atrás” com o ministro devido a seu trabalho na Lava Jato, e também a melhorar seu trânsito no Congresso, onde já atua, algo fundamental para que a pauta de interesse do ministro ande.