Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Década vai chegando ao fim, mas 2013 ainda não acabou

Equipe BR Político

Com o apagar das luzes da década de 10, já é possível avaliar que 2013 ainda não acabou e seus efeitos irão adentrar nos anos 20 com força no mundo político brasileiro. É o balanço que faz a editora do BRP Vera Magalhães em sua coluna no Estadão deste domingo, 29. “A síntese dos anos 10 do século 21 no Brasil é, também, a da ascensão e queda da primeira mulher a ser eleita e reeleita presidente do País, justamente no ano inaugural da década. E o ano da virada entre uma coisa e outra foi justamente aquele em que Dilma assinou a lei pela qual viria a se lamentar: 2013, quando pegamos o desvio que nos trouxe até aqui.”

As machas em 2013 não foram apenas fundamentais para dar início a insatisfação que gerou o impeachment da petista, lembra Vera. Foi como resposta aos protestos que Dilma assinou a lei de delações premiadas, ferramenta essencial da Lava Jato e que apeou do poder não apenas a ex-presidente, mas também seus adversários, como Aécio Neves (PSDB-MG) e Eduardo Cunha (MDB-RJ). “Das ruínas da política, emergiu Jair Bolsonaro, com um discurso calculado para ser a alternativa a tudo isso que provocava engulhos no eleitorado estarrecido. E é nesse ponto que chegamos ao fim da década”, afirma a colunista. “A década de 10 vai chegando ao fim, mas os ecos daquele 2013 em que tudo virou do avesso ainda vão ser sentidos ao longo dos anos 20. Apertemos os cintos e respiremos fundo.”