Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Decotteli na corda bamba após revelações sobre currículo

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro da Educação Carlos Alberto Decotteli parece cada vez mais próximo de deixar a pasta. A sequência de revelações suspeitas sobre seu currículo, como a não obtenção de título de doutorado e acusações de plágio na dissertação de mestrado, transformou a manutenção do ex-presidente do FNDE no cargo em algo insustentável para Jair Bolsonaro, segundo interlocutores. O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) cobra uma investigação do caso. O próprio líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PR), admitiu há pouco em entrevista para a CNN Brasil que há um “constrangimento” no Planalto com a situação. E que o presidente da República deve decidir o que fazer com o quase ministro nas próximas horas.

A informação que chega é que o governo já procura um nome substituto, que mantenha a tendência “técnica e conciliadora” de Decotelli. Sem, é claro, as incoerências no currículo. A posse de Decotelli, que iria ocorrer nesta terça-feira, 30, foi “adiada”. Segundo o Estadão, ele perdeu apoio tanto entre os militares quanto entre os acadêmicos. Com isso, quem se animou foi a ala ideológica, que tenta emplacar um substituto mais parecido com Abraham Weintraub. Esse movimento foi tratado por deputado bolsonarista para nosso relatório semanal Fique de Olho.

“A linha, o presidente já sinalizou, é uma escolha técnica e que possa permitir o diálogo com as forças políticas no Congresso. Caso haja necessidade, acredito que seja essa a linha que será seguida pelo presidente Bolsonaro”, disse Bezerra Coelho.