Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Deltan deu palestra e recebeu R$ 33 mil de empresa citada na Lava Jato

Equipe BR Político

O procurador Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato em Curitiba, recebeu R$ 33 mil para fazer uma palestra em evento da empresa de tecnologia Neoway, citada em acordo de delação em caso de corrupção na Lava Jato, de acordo com supostas mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil publicadas nesta sexta-feira, 26, em conjunto com a Folha. Além disso, ele chegou a gravar um vídeo para a empresa, enaltecendo o uso de produtos de tecnologia em investigações – a Neoway vende softwares de análise de dados. Em um grupo de conversa entre procuradores do Telegram, os membros do Ministério Público – no qual Deltan está incluído – falaram em duas ocasiões sobre a empresa estar sob investigação na Operação Lava Jato. A primeira citação à Neoway nos chats secretos da Lava Jato aconteceu dois anos antes da palestra de Deltan.

Quando percebeu que havia recebido dinheiro e feito propaganda grátis para uma empresa investigada pela operação, o procurador confessou a colegas: “Isso é um pepino para mim”. Na ocasião, Deltan afirma que não sabia que a Neoway havia sido citada no âmbito da Lava Jato e manifestou preocupação sobre a palestra concedida à empresa. “Isso é um pepino pra mim. É uma brecha que pode ser usada para me atacar (e a LJ), porque dei palestra remunerada para a Neoway, que vende tecnologia para compliance e due diligence, jamais imaginando que poderia aparecer ou estaria em alguma delação sendo negociada”, afirmou o procurador em conversa com outros procuradores quatro meses depois da palestra. A situação levou Deltan e outros procuradores que haviam mantido contato com a empresa a deixarem as investigações referentes à companhia. À Folha, Deltan disse que, antes de dar palestra remunerada para a empresa Neoway, não teve conhecimento de que a companhia já havia sido citada na Lava Jato.