Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

DEM teve a maior candidatura laranja de 2018, diz PF

Equipe BR Político

Uma investigação da Polícia Federal revelou fortes indícios de que a candidata a deputada estadual no Acre Sonia de Fátima Silva Alves tenha sido usada como laranja do DEM nas eleições de 2018. A candidata recebeu R$ 240 mil do diretório nacional do partido, mas obteve apenas seis votos. A suspeita da PF é a de que Sonia, policial militar, tenha sido lançada em benefício da campanha do deputado federal Alan Rick (AC), a quem teriam sido destinados os recursos. Segundo a Folha, este foi o maior esquema de desvio de verbas públicas eleitorais nas eleições do ano passado.

O documento da PF cita, ainda, que os valores foram repassados à campanha da candidata por meio de uma transferência eletrônica assinada por Romero Azevedo, tesoureiro nacional, e Antonio Carlos Magalhães Neto, prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM. O documento da PF, no entanto, não cita diretamente o prefeito soteropolitano. De acordo com o estatuto do DEM, os comitês financeiros regionais respondem civil e criminalmente por eventuais irregularidades no processo eleitoral. Além de ACM Neto, também são filiados à sigla o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP).

Em resposta, o deputado Alan Rick afirma que Sonia recebeu maiores repasses porque entrou tardiamente na campanha eleitoral, tendo sido escolhida já perto das eleições após a desistência de outra candidata. Em nota divulgada nesta segunda-feira, 25, o diretório nacional do partido afirma que irá  instaurar um “procedimento apuratório interno para acompanhar formalmente as denúncias relacionadas à aplicação de recursos públicos em campanhas femininas pela direção partidária no Estado do Acre, bem como para punir exemplarmente os eventuais responsáveis”.

Tudo o que sabemos sobre:

candidaturas laranjasDEMFundo Eleitoral