Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Demissão de general indica mudança no estilo de Bolsonaro

Marcelo de Moraes

Jair Bolsonaro parece ter aprendido com o processo de demissão dos ministros Gustavo Bebianno e Vélez Rodriguez. Enquanto os dois auxiliares foram dispensados apenas depois de sangrarem por longo tempo – e colando o desgaste desse processo no governo – o general Santos Cruz foi rifado ontem num processo extremamente rápido.

Não era segredo que o ministro tinha se desgastado ao bater de frente com a ala ideológica do governo.  Mas sua demissão iminente foi mantida apenas no radar do presidente e de seus auxiliares mais próximos. Tanto que Santos Cruz participou de manhã de uma audiência no Senado e precisou encurtar a conversa com os jornalistas porque estava sendo chamado no Planalto para conversar com o presidente. O chamado, na verdade, era para ser demitido. Em vez deixar o general ardendo num fogo lento e público, Bolsonaro foi rápido dessa vez. É verdade que ele vai precisar administrar as consequências internas e externas por dispensar um dos mais importantes integrantes da chamada ala militar. Mas a consumação rápida dessa demissão contém um pouco do estrago político que poderia causar se o processo se arrastasse como nas ocasiões anteriores. /M.M.

Tudo o que sabemos sobre:

Santos CruzBolsonaro