Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Deputado aciona PGR contra Bolsonaro após falas no Maranhão

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O deputado federal maranhense Márcio Jerry, presidente do PCdoB no Estado informou nesta sexta-feira, 30 que abriu uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) por prática de improbidade administrativa contra o presidente Jair Bolsonaro. A ação ocorre um dia após o chefe do Executivo visitar o Estado e fazer comentários preconceituoso, ao chamar os maranhenses de “boiolas” por causa de refrigerante cor-de-rosa. A declaração foi feita durante transmissão ao vivo nas redes sociais do presidente. O vídeo não está mais disponível no perfil de Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Gabriela Biló/Estadão

A representação cita, além das falas preconceituosas, que Bolsonaro utilizou recursos públicos para atender interesses particulares de cunho político-eleitoral. Segundo parlamentar, o presidente utilizou da estrutura do evento para promover proselitismo político contra adversários, usando expressões em seu discurso como “se Deus quiser, brevemente estaremos para comemorar a erradicação do comunismo em nosso Brasil” e “querem roubar seu dinheiro e sua liberdade”. As falas foram direcionadas ao governador do Estado, Flávio Dino, que também é do PCdoB.

“Representei à Procuradoria da República contra o presidente Bolsonaro por prática de ato de improbidade administrativa. Em sua desastrada passagem ontem pelo Maranhão, o presidente ofendeu os maranhenses, zombou de marca de refrigerante típico de nossa terra e cometeu crimes”, escreveu Jerry no Twitter.

“Em agenda oficial, Bolsonaro fez pregação político-eleitoral e infringindo flagrantemente a Constituição e a Lei nº 8429/92. A Lei é para todos, inclusive e especialmente para o presidente. E o Maranhão merece e exige respeito!”, concluiu o deputado em comentário na rede social.

Ainda ontem, também pelas redes sociais, Dino havia afirmado que processaria o presidente pelos comentários em tom homofóbico.